terça-feira, 7 de setembro de 2010

UMA RELAÇÃO PERFEITA

   A constatação de que a psicoterapia relaciona-se muito bem com a terapia floral e que usadas paralelamente auxiliam, complementam e diminuem a duração do tratamento veio atraves da vivência clínica, formado por um grupo de estudo onde se reuniram quatro pesquisadoras estudiosas das essências florais do Dr.Bach.

 Também estabeleceram, dentre algumas linhas psicológicas, uma corrente entre os diversos tipos de personalidade e os florais que lhes podem ser úteis na promoção da saúde.

   Os florais, ao atuarem no plano energetico, provocam alterações na pessoa, facilitando a tarefa psicoterápica, obtendo uma compreenção fenomenológica em diferentes abordagens e o estabelecimento de uma correspondencia com os estados patológicos vivenciados usualmente na prática diária dos psicoterapeutas.

   Acreditamos que toda a vida física e mental é uma manifestação de energia e, por isso estamos também voltadas ao estudo do fluxo energetico e seus bloqueios, há uma troca de energia em todas as coisas, uma pulsação ritmica de contração e expansão que nos habilita a reconhecer que uma planta, animal ou pessoa estão vivos.

   As abordagens escolhidas são:  de base freudiana, junguiana, reichiana, analitico transacional.

   E a inclusão da correlação com os chakras (centrosde energias existentes dentro de cada pessoa afetando a personalidade e o psiquismo) Disturbio psicologico é iqual a disfunção de um chakra.

   Os grupos das essências florais (sete grandes desequilíbrios emocionais) segundo DR. BACH.
   
   DESALENTO
   SOLIDÃO
   MEDO
   INSEGURANÇA
   SEM INTERESSE PELO PRESENTE
   PREOCUPAÇÃO EXCESSIVA PELOS OUTROS
   HIPERSENSIBILIDADE A INFLUÊNCIAS E IDEIAS

   REFERENCIA
   Florais de Bach
   Abordagens Psicoterápicas

  Editora Movimento
   

 
  

O DINHEIRO E AS EMOÇÕES

O que você faz com o dinheiro é o que você faz com sua vida!


       A pesquisa sobre a forma de cada pessoa lidar com o dinheiro pode ser de grande utilidade prática a qualquer pessoa.    Os pesquisadores da área de  psicologia,   especialmente no meio acadêmico,   têm negligenciado este tipo de estudo,   mas isso é um erro.   O processo afetivo sobre como as pessoas se relacionam com o dinheiro pode ser mapeado e compreendido, ajudando-nos a rever a nossa maneira de percebê-lo, e ao mesmo tempo, de administrá-lo com mais eficácia.

      Assim poderemos entender melhor porque as pessoas que recebem tratamento afetivos parecidos , apresentam estilos diferentes no trato com o dinheiro, ou dois funcionarios na mesma faixa salarial e mesma faixa de idade, um tem certa estabilidade de vida e outro bem diferente. Porque certos economistas, executivos, pessoas que sabem lidar com o dinheiro da empresa, gerando lucro, recebem excelente renumeração e na vida pessoal são um desastre financeiro.  Outras  pessoas conseguem sair das piores situações para fazer fortunas, enquanto outras, depois da sorte grande conseguem perder tudo.

     Enfim, qual é o papel da educação no sucesso ou fracasso financeiro?

     Bem, o segredo está exatamente NA FORMA DE LIDAR COM O DINHEIRO e não na quantidade de dinheiro que possamos ter.

     Se observarmos bem, pacientes de consultórios que nos procuram quer por conflitos familiares entre cônjuges ou entre pais e filhos, problemas de trabalho, de sonhos não realizados, e de muitas desesperanças  geralmente estão direta ou indiretamente ligados ao dinheiro. Não necessariamente à quantidade de dinheiro , mas principalmente à forma de lidar com ele, forma essa que determina as escolhas que as pessoas fazem na vida o tempo todo.

     Tratamos emoções como "energia em movimento", e dinheiro como instrumento de troca entre pessoas. Onde há troca, há movimento. Portanto, onde há dinheiro, há emoções, e mesmo uma boa quantidade de simbologia psíquica.

      São dois os padrões chaves das emoções: O MEDO e a RAIVA. Elas existem para garantir a sobrevivência da espécie que a princípio são saudáveis. Se soubermos utuilizar esta usina de energia com consciência, poderemos direciona-la saudavelmente para a criação, para a ação no trabalho, para a saúde e a felicidade, e em todos os relacionamento.

      Em pesquisas por vários anos, a socióloga e especialista em economia-Glória Maria Garcia Pereira- descobriu que as pessoas desenvolvem um estilo próprio na forma de lidar com o dinheiro, estilo esse inconsciente, formados na primeira infância na tentativa de se lidar com os sentimentos de raiva e medo e a busca de prazer nas relações sociais.

Os principais estilos pessoais de lidar com dinheiro são:

1. Consumista ou Gastador
2. Entesourador ou Poupador
3. Desligado do Dinheiro
4. Escravo do Dinheiro
5. Tem Raiva do Dinheiro
6.  Confuso entre Amor e Dinheiro
7.  Educado Financeiramente

    O EDUCADO FINANCEIRAMENTE é o único tipo de personalidade que éconstruido consciente ou voluntariamente. É uma conquista através de um processo de vida e educação e de autodesenvolvimento pessoal.

    Jung dizia que é alguem que conseguiu avançar em seu processo de Individuação(similar ao processo de Evolução Espiritual).

    É o tipo que na verdade todos gostariamos de ter conquistado porque pelo conceito cabalistico de riqueza é considerado Financeiramente RICO. É a pessoa que faz tudo que quer sem problemas financeiros e não deixa de fazer nada por falta de dinheiro.

   Todos os seis tipos inconscientes anteriores podem se tornar educados em finanças, uma vez que se inicie o processo dentro de uma avaliação pessoal em busca da felicidade e do equilíbrio.

   A TERAPIA DO DINHEIRO E AS EMOÇÕES
   Vanda Copolla Ippolito
    Psicologa e Psicoterapeuta Transpessoal